Vera Faria Leal

Sobre mim

Vera Faria Leal é licenciada em Relações Internacionais e tem várias formações em Comunicação Institucional, Marketing, e Sistemas de Qualidade, em que trabalhou até 1999. Desde cedo a sua insaciável curiosidade sobre a Vida, levou-a a fazer rádio, teatro, a importar jóias, a ser maquilhadora de moda, a frequentar o curso de assistente de bordo da Portugália, a cuidar de crianças deficientes visuais, a leccionar inglês, a traduzir obras de Louise Hay, a fazer locução de cds, entre algumas das experiências vividas.

Um pouco de mim…

Desde 1999 que co-crio com o Universo, uma Vida muito para além dos meus sonhos mais ousados. Essa onde faço planos, e também danço com os planos que a Vida tem para mim. Essa que cultiva a presença no agora, que cumpre e honra a minha expressão criativa, autenticidade e o sentir do meu corpo-Alma. Essa Vida que abraça o paradoxo da luz e sombra, a multifacética condição humana e divina, e rendendo-se ao momento sagrado que cada instante nos oferece, atravesso o tempo-Cronos, linear, adormecido e encontro o Tempo-Kairos, mítico, desperto, onde o Amor nos encontra, porque já estamos prontos para o acolher.

A abordagem da Alma…

Para além da espiritualidade, ensinamentos esotéricos e sabedorias arcanas, sempre fui apaixonada pela escrita, poesia, mitos, dança, musica, cores e artes visuais. Trabalhei com grandes mestres em Portugal e no estrangeiro; ao longo dos anos fui desenvolvendo um repertório de atividades e técnicas, que me conduziram às minhas sínteses pessoais, dando sustentação ao meu fluxo criativo. Este processo contínuo de fidelidade ao meu destino, seguindo a minha intuição e expressando a minha criatividade, tem-me levado a redesenhar Formações e Worpwshops onde, sempre mais, as pessoas podem renovar o seu senso de maravilha e de mistério, conetar com a sua alegria e completude internsa e irradiar o seu potencial criativo. Hoje, vejo na fusão das artes, do trabalho com o corpo e a voz, na música e na poesia, nos contos de fadas e nos mitos, o maior potencial de transformação e de orientação individual e coletiva, nesta extraordinária transição de eras que vivemos. E o meu maior propósito é facilitar com os outros, o seu processo de recuperar a Magia da Vida!

Metade de mim é africana, os Faria Leal de Angola, de tribos cheias de histórias de sol, praias de paraíso, elefantes, tigres, escorpiões, macacos, cheiros de frutas maravilhosas, canticos negros, misticismo ancestral, terra intensa habitada por escravos e esclavagistas, negros e brancos, plebeus e aristocratas, todos meus antepassados. A outra metade é dos povos do norte, transmontanos de Perafita e Montalegre, os Afonso, gente rija da montanha, de palavra, honra e afetos para a vida. Memórias de casas com telhado de colmo, aquecida pelo corpo dos animais, escudos guardados debaixo de colchões, broas de milho, presunto e batatas sem igual. A todos os meus ancestrais, aos meus amados pais, José e  Wanda,  a minha profunda gratidão; dedico também a eles a minha felicidade!

Alguma Formação:

Fiz formação e/ou privei pessoalmente, entre outros, com Maria Flávia de Monsaraz, Alan Oken, Paulo Cardoso, Luís Resina, José Luís Santos, Paula Chambel, Fernando Albuquerque, John Demartini, Robert Happé, Deepak Chopra, Cheryl Richardson, Patrícia Crane, Louise Hay, Neale Donald Walsch, Tony Samara, Dadi Janki, Barbara Marx Hubbard, Kathy Jones, Alexandra Belloni, Carolyn Miss, Brian Weiss, Doreen Virtue, Wayne Dyer, Marianne Wiliamson, Marian Dunlea, Sheila Langstrom, Sue Congram, Cathy Lynn Pagano. É formada em Teoria do Campo do Pensamento /Thought Field Therapy (TFT) do Dr. Roger Callahan.

Escreveu para várias Revistas, participou em programas de Rádio, fez uma Rubrica de Auto estima na SIC Mulher e em vários outros programas televisivos, como o Passadeira Vermelha do canal SIC CARAS.

Escritora, tem várias obras (da Vogais & Consoantes e Nascente) e CD`s editados em Portugal e Brasil (O Poder do Amor, Editora Record):

  • A Missão da Sua Vida
  • O Poder do Amor:  http://www.youtube.com/watch?v=ghKp3EYQ0Rc&list=PLEC6CA3204801C50E
  • A Alquimia da Felicidade: http://www.youtube.com/watch?v=teW2ERKSjfM&list=PLEC6CA3204801C50E
  • Descubra a Sua Criança Interior (Pergaminho)
  • O pequeno Livro da Auto Estima (Pergaminho)

Autora do DVD de desenvolvimento pessoal:

  • O Segredo para Além do Segredo:  http://www.youtube.com/watch?v=JLJ7G76oGPo&list=PLEC6CA3204801C50E&feature=mh_lolz

ASTROLOGIA

Faz Aconselhamento Astrológico e criou pela primeira vez no Centro Quíron – www.quiron.pt/  os Cursos:

Astrologia Vivencial  e O Resgate das Deusas no Mapa Astral: Asteroides  e o Sagrado Feminino

MÉTODO LOUISE HAY

Diplomada por Louise Hay e convidada por Patrícia Crane, a continuadora do trabalho de L. H. no mundo para ser a Formadora mundial de Facilitadores do Método Louise Hay em língua portuguesa (Portugal e Brasil).

http://www.healyourlifetraining.com/teacher-training/licensed-teachers

http://www.youtube.com/watch?v=m5U58VGThDI#t=27

Formadora de Desenvolvimento Pessoal, criou o seu Método pessoal:

WISDOM COACHING INTEGRAL®  e é formadora de Coaching.

Palestrante, com participações em Inglaterra, Espanha e Brasil.

Estudiosa de arquétipos, mitos e contos de fadas, criou em colaboração com Margarida Neto, um grupo de investigação do Divino Feminino onde se estudam os arquétipos da Alma Feminina e se redescobrem as deusas Lusitanas.

É Sister of Avalon:http://www.goddesstemple.co.uk/

. Fundadora em Portugal (2004) do movimento espiritual internacional: “Humanity`s Team – Juntos pela Humanidade”, criado nos EUA por Neale Donald Walsch – http://www.humanitysteam.org/

Promove a contribuição social e o voluntariado, assume-se como um Ser espiritual a viver uma experiência na matéria, e pretende a cada dia, abrir mais e mais o seu coração à memória da sabedoria da sua Alma, para que o Céu desça à Terra no Casamento alquímico  que Corpo-Alma celebra como espírito, cumprindo-se o Plano de Amor e Luz.

PARCEIROS

www.facebook.com/WhiteLoftOutlet   Vera Faria Leal é vestida por WHITE LOFT

REVISTA CARAS:     caras.sapo.pt/lifestyle/lifestyle_horoscopo/2012/11/20/carneiro  Vera é a astróloga da Revista

SIC CARAS    siccaras.sapo.pt/programas/passadeira-vermelha  Vera Faria Leal é astróloga convidada neste programa

APARTAMENTOS DO LAGO   www.apartamentosdolago.com  Local maravilhoso para férias e/ou eventos

INSTITUTO ZEUS   www.institutozeus.com.br

INSTITUTO CAPIXABA DE FENGSHUI      www.fengshuicapixaba.com.br

ESPAÇO AMAR        www.espacoamar.com

A Vera Faria Leal e o Mundo!

Vera Faria Leal com Louise Hay

Vera Faria Leal com Paulo Cardoso

Vera Faria Leal com Brian Weiss

Vera Faria Leal com Cheryl Richardson

Vera Faria Leal com Patricia Crane

Vera Faria Leal com Neale Donald Walsch EUA 2003

Vera Faria Leal com Barbara Marx

Vera Faria Leal com Carolyn Miss

Vera Faria Leal com Deepak Chopra

Vera Faria Leal com John Demartini

Vera Faria Leal com Maria Flávia

Vera com Sheila Langstrom, Sue Congram e Marian Dunlea

Página dos Formadores Licenciados no Mundo para certificarem Facilitadores do Método Louise Hay:

www.healyourlifetraining.com/teacher-training/licensed-teachers 

Site da Drª. Patricia Crane:  www.heartinspired.com

Alguns mestres inspiradores:

www.louisehay.com    www.deepakchopra.com   barbaramarxhubbard.com   www.myss.com

Astrologia:  www.quiron.pt        www.astrology.org.uk 

Sagrado Feminino:   www.goddesstemple.co.uk        www.kathyjones.co.uk

Carl Jung:    www.iaap.org

 Outras inspirações:  www.spiritualcinemacircle.com   

ALGUMAS ENTREVISTAS

Excerto de Artigo sobre Vera na Revisa VERA ARTIGO CARAS 2 - CópiaCARAS Março 2013

por Cristiana Rodrigues

Há 15 anos que a astrologia fez magia na sua vida. Vera Faria

Leal, de 48 anos, casada, mãe de dois filhos, Miguel, de 26 anos, e Maria,

de 16, começou por licenciar-se em Relações Internacionais. A sua

insaciável busca pela liberdade levou-a a experimentar fazer rádio, teatro,

ensinar inglês… Ainda se inscreveu num curso de assistente de bordo, mas

acabou por voar até outras paragens. Mudou radicalmente de vida e hoje é

investigadora de Psicologia Espiritual e do Divino Feminino, tradutora de obras de Louise Hay, escritora e astróloga.

A partir desta semana, passa também a assinar a página do horóscopo da CARAS.

– Inevitável perguntar: qual é o seu signo?

Vera Faria Leal

Sou aquariana, o que me dá esta inquietude, necessidade de estímulo, busca do sentido da vida e descoberta do que é ser livre. Em

relação ao meu touro de ascendente, é a terra da segurança. O touro faz planos e o aquário acredita neles. Acho que é uma dança bonita.

– Foi o facto de ser aquariana que a levou a experimentar tanta coisa antes de chegar até aqui?

Desde os tempos de escola que eu precisava de sentir que fazia muita coisa. A partir de certa altura, depois

de ter colhido tantas experiências, fiz uma autorreflexão onde fui convidada a descobrir onde é que me sentia mais

em casa…

– E decidiu romper com o passado…

Não me sentia entusiasmada com a minha vida profissional, que sempre foi muito importante para mim. A minha

carreira era fundamental. Senti que se tinha fechado um ciclo e como já estava a aprofundar e praticar um conjunto de

disciplinas, filosofias sobre o desenvolvimento do potencial humano – que isso, sim, me fascinava – senti uma inflexão

no caminho. Não havia nem fogo nem paixão nem nada mais que acrescentasse alguma coisa à minha vida.

– Onde é que ficava a vida pessoal?

Durante alguns anos a vida familiar foi prejudicada pela minha necessidade de conhecer, aprender, fazer formação

em vários pontos do mundo, realizar-me profissionalmente. Mas tenho o privilégio de ter uma família maravilhosa, um

marido extraordinário que me ajudou imenso, um grande companheiro e que até hoje me apoia e permite que eu seja

quem sou, dando-me todo o espaço para eu poder ser e realizar-me.”…

Numa entrevista sem recurso a mapas astrais damos a conhecer a astróloga que assina, a partir desta

semana, a página de horóscopo da CARAS.

EXCERTO DA ENTREVISTA NA REVISTA PROGREDIR MAIO 2014

005

Progredir: Como surge a escrita na sua vida?

Desde sempre que amo escrever, desde prosa a poesia. É uma das formas em que melhor expresso o sentir da Alma. Escrever é destilar coração para o papel. É também uma forma de me cumprir, honrando os ensinamentos que me foram passados pelos meus mestres. Em 2000 publico alguns poemas sobre o Amor numa Antologia, POIESIS, e em 2004 edito, com a Pergaminho, o meu primeiro livro: Descubra a Sua Criança Interior. Desde então publiquei mais três livros, um DVD e um Cd.

 Progredir: Fundadora em Portugal desde 2004 do movimento espiritual internacional: “Humanity`s Team – Juntos pela Humanidade”, criado nos EUA por Neale Donald Walsch, fale-nos desse projeto?

 A famosa série de livros “Conversas com Deus” deste consagrado autor, motivaram-me a conhecer melhor a sua obra. Em 2003 decido juntar-me ao lançamento deste projeto mundial e viajo para o Oregon, EUA, onde junto com milhares de pessoas de todo o mundo, assisto a um evento espiritual memorável, repleto de grandes pensadores, escritores e ativistas nesta área. Decido ser a representante portuguesa do movimento, em prol dos “direitos civis da Alma”. Viajo com o Neale e as equipas internacionais preparando esta estrutura e dando forma à sua visão. Este projeto, do qual me desvinculei há uns anos, tem várias vertentes, desde a Inteligência emocional/espiritual, na intervenção prática com vários públicos, para a expansão das consciências e a evolução consciente. Há programas para jovens, adultos, crianças; há um trabalho que pretende fomentar novas formas de “ser sociedade”, baseadas em conhecimentos ancestrais, passando pelo estimular de comunidades humanas sustentadas, respeitadoras da mãe terra e da integralidade do ser humano.

 Progredir: O tema deste mês da Revista progredir é “Ser Mãe” como mulher e mãe, à luz do desenvolvimento pessoal como vê este acontecimento na vida de uma mulher.

 Ter filhos é um imenso privilégio, uma oportunidade impar de aprender o Amor. Os meus filhos são a minha maior obra, o maior presente que a Vida me ofereceu. Quanto mais vivo, mais apaixonada por eles fico, se tal é possível; são os melhores espelhos da minha luz e da minha sombra. Este espelhamento, precisa ser tornado consciente, para que à dor que tantas vezes provoca seja dado sentido e possa resultar em expansão de consciência e maturidade. A Vida dá-nos as oportunidades de amarmos sempre e cada vez mais os outros, de os respeitar por quem são, ajudando-os a ser quem nasceram para ser. Os cursos e as terapias ajudam-nos imenso, e é na prática com os nossos filhos, que a integração dos ensinamentos se testa e valida. A mais que milenar ferida do feminino, em mulheres, homens e cultura, expressa-se naturalmente, na nossa sociedade ainda patriarcal (mas cada vez menos) na forma como somos mães e filhas. Muito trabalho há a fazer para curar a cisão do feminino-masculino, coração-mente, matéria-espirito, que deixou marcas horrendas na história humana. Uma mulher sem poder (como é habitual) tenta manipular os filhos, seja pela agressão, seja pela co dependência (que também é agressiva). Uma mãe inconsciente, tenta projetar a sua vida não vivida para cima deles, oferecendo-lhes um presente envenenado do qual podem nunca se libertar. Uma mãe ensinada que “deve ser perfeita” mata a vida nos seus filhos, procurando que neles, essa “perfeição” que os impede de sentirem, se expressarem e aprenderem com os erros, seja a tirana nazi que os mantem mental e emocionalmente num campo de concentração psíquico. A melhor mãe é aquela que aceita as suas imperfeições, única forma de honrar a sua condição humana e o melhor caminho para construir o verdadeiro poder, que é interno e que deriva de encontrar a verdade de quem É e afirmá-la corajosamente no mundo. É aquela que procura ser honesta consigo mesma, aceitando-se como é, que nunca desiste de se amar cada vez mais, integrando nesse processo, a sua totalidade. É aquela que é uma expressão viva, ao melhor da sua capacidade, do que é ser fêmea-mulher e divina. É aquela que procura curar as suas feridas, vivendo cada vez mais no presente, abraçando o processo da vida, onde continuamente estamos chegando a algum lugar, em vez de estar focada no produto, na chegada, que na verdade, não existe. É aquela que se sabe paradoxo vivo e que o honra na sua singularidade e ciclicidade, nos ritmos do seu corpoalma, e se enraíza no seu corpo de mulher, que ama e respeita. A criança cuja mãe não habita o seu corpo feminino (somos cabeças ambulantes) também não se vai poder ligar à sua matéria-mater-mãe, que é o seu corpo e vai certamente entrar em adições, vícios, compulsões. A mãe, precisa ver-se a si mesma em primeiro lugar, para poder ver e reconhecer o filho; o filho que não é visto, jamais sentirá o amor da Vida na sua plenitude; pode ser, tristemente, um aleijado emocional. Uma mãe curada, em vez de projetar para cima dos filhos o que ela quer que eles sejam – muitas vezes como compensação da sua vida não vivida – diz, através do seu comportamento: ensina-me a ser para ti, aquela que te educa para seres quem nasceste para ser. É aquela é o espelho mais cristalino que puder ser, para que o filho se reflita nela e cresça sendo cada vez mais ele mesmo. Estamos todos neste caminho de Amor. Abençoados sejam os nossos pais e os nossos filhos!

 

Excerto de Artigo de Vera Faria Leal para a ZEN de Março: AMAR É UNIR

vERA DVD COM BUDA

 O Amor é, antes de tudo, uma Lei Universal: Toda a criação é governada por leis. Os princípios que operam no mundo físico estudados pela ciência, são as leis naturais. Por outro lado, desde sempre que todas as sabedorias e conhecimentos espirituais, iniciáticos, revelaram leis subtis que presidem ao plano espiritual e à dimensão da consciência. De acordo com essa sabedoria, a verdadeira natureza da matéria está contida nestas leis. Conhecê-las é transcender gradualmente a dualidade da realidade aparente. Vivê-las, é conquistar a verdadeira liberdade interior. Ser uno com elas é assumir a nossa condição de seres espirituais a ter uma experiência humana e fundirmo-nos com o princípio primordial da Vida: o Amor Universal.

 Assim sendo, qual o Poder do verdadeiro Amor? É o Poder de evoluirmos e de cumprirmos o nosso propósito enquanto seres essencialmente espirituais a ter uma experiência terrena. Na medida em que nos formos identificando mais e mais com esta essência divina, a nossa consciência de que somos o Amor vai também expandindo, o que nos permite viver mais inteiros e mais felizes. Nesta medida, posso afirmar que o Amor é um estado de consciência que varia desde um nível muito básico, de sobrevivência, em que o Amor é vivido como sentimento de posse – o que eu amo é meu – até níveis cada vez mais conscientes, luminosos e livres. Quanto mais vamos sendo capazes de viver o Amor como adesão profunda à Vida, honrando a Vida em nós e aprendendo a respeitar e a praticar a Lei do Amor, com tudo o que nos vai acontecendo, mais a Vida fará sentido, mais um sentimento de que tudo está certo nos invade, nos bons e nos momentos mais difíceis. Sabemos que estamos a viver cada vez mais de acordo com a Lei do Amor, quando temos menos preconceitos, julgamentos, divisões, superstições redutoras e instabilidade interior. Assim, o poder do Amor é o maior Poder: se o Amor é uma Lei Cósmica que cumpre o desígnio divino de assegurar a evolução espiritual dos seres, então este amor é o motor subjacente à evolução da condição humana primordial, rumo a um estado de iluminação, de consciência crística. Não há poder maior do que este: os eons (o tempo cósmico, milhões de anos) sucedem-se e o plano divino toma forma, independentemente do poder dos grupos políticos, económicos, militares, que, em cada época histórica pisam a terra.

 Amar é unir: tal é o verdadeiro poder do Amor. Unir é curar, restabelecer, acreditar, é criarmos novos relacionamentos, nova vida e recriarmo-nos na crescente liberdade de sermos irradiadores de amor, à imagem e semelhança da Fonte. A forma como amamos está dependente do nosso nível de consciência, da nossa qualidade vibratória (que é a soma da qualidade dos nossos pensamentos, intenções, emoções, actos). Se vibrarmos numa baixa frequência, se nos sentimos sobreviventes do amor, carentes e vazios, com medo de perder o pouco ou o nada que temos, tendemos a projectar nos outros esse vazio e passamos a chamar “amor” a essa carência. Neste estágio, o sentimento de posse é dominante: eu possuo quem amo! Nesta fase, as pessoas costumam ferir–se umas às outras ”por amor”; a verdade, é que se magoam mutuamente por desespero, quando quem pensavam que “possuíam” começa a revoltar-se.

 A esmagadora maioria dos relacionamentos humanos começa assim, com este “equívoco” que fazemos do amor. Ele é na verdade um estado interior crescente de abundância que produz estabilidade emocional, mas começamos cedo a chamar amor às nossas carências. A partir desta primeira faísca ou início de relação, o desencontro desdobra-se até ao limite (se o deixarmos e se não mudarmos constantemente de parceiro para fugir da responsabilidade de encarar os nossos medos e insuficiências). Mas é exactamente no ponto em que tudo parece correr mal, estar perdido, a paixão já terminando, quando o outro nos devolve a nossa “fealdade”, aquilo que não é bonito de ver, através das suas cobranças, desinteresse e crítica, traição, insegurança ou agressividade, que tudo pode começar. A maioria das pessoas tende, neste ponto das relações, ou a trocar de parceiro ou a afundar-se no trabalho, na depressão ou noutro substituto para o vazio. Mas o que neste ponto precisamos fazer, é aprender a encarar a morte-vida-morte do Amor, a necessária transformação da paixão num outro estágio da relação em que, através do que o outro nos espelha de nós que não é agradável, aprendemos a reconhecermo-nos, a recolher as nossas projecções ilusórias sobre o outro, a responsabilizarmo-nos pelo nosso próprio processo de individuação, de autonomia e de estabilidade emocional.