O RETIRO da SOMBRA – Novembro 2014

O RETIRO da SOMBRA 2014: O SONHO DO CORPO E O BARRO VERMELHO: AS REVELAÇÕES DO SAMAIN

 Criado por Vera Faria Leal – www.verafarialeal.com.pt

mix sombra

1 e 2 Novembro na quinta da Enxara (30 klm de Lisboa), Residencial.

Para mulheres e homens. Vagas limitadas.

 Convidada: Lourdes Maneta, psicóloga clínica, arte terapeuta, facilitadora do Método Louise Hay

VEJA TESTEMUNHOS NO VIDEO:https://www.youtube.com/watch?v=gT0rvG0-7EU&feature=youtu.be  

O ano celta começa no dia 1 de Novembro – o Samain – quando a Cailleach, a anciã do inverno faz a sua descida para o SUB-MUNDO para incubar as sementes da nova vida que irá emergir no Imbolc -1 de Fevereiro, a Primavera celta. Vamos explorar os mitos da descida a esse infra-mundo – que simboliza o inconsciente, o profundo, a sombra. E aprender com eles as regras de “sobrevivência” nessas dimensões abissais e limiares da consciência.  Usando arte terapia, Soul Collage®: uma técnica magnifica em que recentemente me formei Facilitadora e que vou introduzir pela primeira vez neste RETIRO. Usando interpretação de sonhos, rituais, movimento orgânico, vamos aprofundar-nos dentro do nosso corpo-contentor, para sentir e compreender como a energia se move dentro e entre nós neste momento da roda do Ano. Através de BodySoul Work, vamos preparar-nos para conhecer um “corpo de matéria” num pedaço de barro vermelho, entrando em contato com o “infra mundo” subconsciente através do toque do barro. Quando nos envolvemos com a natureza do barro, “algo” ou “novas sementes” podem espontaneamente assomar à superfície, desde o profundo das células do corpo. Estas começam a tomar forma no barro e podem surpreender-nos. A Cailleach anciã, é a guardiã das transformações neste tempo que é um portal de incubação na escuridão/sombra. Vamos conhecer melhor a natureza “daimonica” da nossa sombra, aprender a lidar com os nossos tabus, segredos e medos, e descobrir na mandorla – geometria sagada – o portal de síntese entre a não-dualidade, uma importante chave para os nossos conflitos, dualidades, indecisões.  Bodysoul Work, é uma forma de trabalhar com sonhos, movimento e imagens, que “descobre” no corpo, os caminhos que conduzem ao ponto onde a energia dos sonhos e imagens está guardada. Convida-nos a habitar a mandorla –o ponto de interseção entre sintoma e psique, onde a cura pode acontecer – quando apoiado, o corpo pode revelar o mistério das imagens que ele mesmo produz acordado ou a sonhar e abrir-se a novas possibilidades e completude.  A equipa de Sacerdotisas do Sagrado Feminino conduzirá um ritual  de Samain,  que inclui uma peça de teatro “sagrado” com o mito de Inanna e Ereshkighal, numa noite extraordinária, bela e alquímica.  Como te inscreves:

As inscrições estão a ser aceites por ordem de chegada. O retiro inclui estadia em quarto partilhado, e a alimentação (vegetariana). 

 1–Envia email para sarabalasteiro@gmail.com  e remeteremos Ficha de inscrição.  

TESTEMUNHOS DOS RETIROS ANTERIORES:

DSC04938

Em uma só palavra: mágico. O retiro foi como se tivéssemos pedido algo à Vida e ela nos desse em triplicado. Foram gratificantes todos os momentos vividos. Fomos para nos encontrarmos e conseguimos, e mais, superámo-nos, pois descobrimos uma imensidão em nós. Encontrámos a luz ao fundo do túnel e viemos com a certeza que jamais ela se apagará. Toda a magia vivida foi permitida pela grandeza de quem o proporcionou, e todos os participantes a quem estou muito grata por todo o carinho e entrega, bem como à Quinta da Enxara que nos acolheu de forma singular. Demos o melhor de nós e vamos receber mais ainda, pois agora o céu já está mais azul, o sol já tem um brilho maior, as pessoas estão mais sorridentes e o Universo se expandiu. Bem hajam! Beijinho do coração! A. Azevedo    “Felicito-vos pelo excelente trabalho que realizaram – um verdadeiro trabalho de amor em nome do bem maior. Agradeço profundamente reconhecida e grata o amor que senti em vós e que conseguiram alargar a todo o  grupo.” “Pela visão a que me abriram, pelo amor infinito recebido no círculo, pelas sabedorias disseminadas que ecoaram em mim um misto de espanto e de reconhecimento, pela graciosidade com que as transmitiram, pelo sentido de humor tão essencial, pelo entusiasmo que nunca desistiu de acompanhar todos os caminhos percorridos neste círculo, pelo desbloqueio de feridas há muito cristalizadas e ignoradas, pela chave da reconciliação com o meu mais bem guardado segredo – tão bem guardado e ensombreado que eu própria mo negava e com isso aumentava a minha sombra e as minhas sabotagens -, pela divindade e, ao mesmo tempo, humanidade em cada uma de vós! E o encontro com a Sombra continuará a abrir fendas no meu coração para deixar entrar luz – é a minha gota de intenção…”  Isabel Pereira. “O Retiro da Sombra foi um poderoso e assertivo confronto com a nossa Sombra que também é a nossa Luz. Amor, entrega, intuição, saber, entusiasmo e dedicação despertaram todas as emoções.Um trabalho fabuloso, abençoado pela Deusa. Sinto-me abençoada por ter participado.  Alexandra C.   “Adorei o retiro. Foi das melhores decisões que tomei na minha vida e sinto uma profunda gratidão. Calculava que depois de morrer haveria a possibilidade de viver. Digo, calculava porque este era o meu sentir antes de mergulhar no Retiro da Sombra. Foi um mergulho a pique, de cabeça, de corpo, com alma. Doloroso desde a ponta do cabelo à unha do pé. Permitir-me Ser, para me permitir Morrer, para depois Nascer, foi dos melhores compromissos que assumi comigo mesma, com a vida. Foi uma das melhores decisões que tomei, por mim, para mim. Porque de facto depois de morrer, bem lá, despida, no nada, fica o abraço eterno de uma compaixão, de um amor que depois de se viver, de o sentir, não nos é permitido esquecer. A descoberta do outro como sendo parte de nós, de alguma parte de nós, que precisamos de ver, aceitar e integrar. Perdoar. Para passarmos a amar incondicionalmente. Vivi intensamente cada momento do retiro. Trago-o na pele, na voz. A vivência e partilha, onde o caos individual grita numa harmonia perfeita em grupo. Propus-me inicialmente trabalhar a culpa. Trabalhei tanta coisa… Mas a renúncia dolorosa, a mais difícil foi o Medo…O regresso a casa, ao trabalho, ao que ficou, foi mágico. Foi como se a consciência do que vivi enquadrasse tudo o que antes eu não conseguia compreender. E então, reina a compaixão e o amor profundo. Grata a vós  que se propõem abraçar com Amor a luz e sombra que somos. Grata pela vossa coragem. Sofia